Olimpíada Brasileira de Química - Regulamento

Regulamento

REGULAMENTO OBQ

 

Art. 1º - A Olimpíada Brasileira de Química (OBQ) é uma atividade promovida pela ABQ (Associação Brasileira de Química) e coordenada anualmente pelas Universidades Federais do Ceará (UFC) e do Piauí (UFPI) e Estadual do Ceará (UECE), por meio de suas Pró-Reitorias de Extensão.

 

Objetivos Gerais:

  1. Descobrir jovens com talento e aptidões para o estudo da Química, estimulando a curiosidade científica e incentivando-os a tornarem-se futuros profissionais químicos;
  2. Incentivar na população jovem o interesse para o estudo desta ciência, e permitir aos estudantes aplicar seus conhecimentos e suas habilidades em um espírito olímpico;
  3. Promover, através das Olimpíadas de Química, o entrosamento entre Professores das Universidades e Professores e Estudantes das escolas de Ensino Médio, objetivando enriquecer suas formações;
  4. Estimular o ensino, o estudo e a pesquisa no campo da Química;
  5. Contribuir para a formação de profissionais na área de Química.

 

Objetivos Específicos:

  1. Identificar os melhores estudantes de Química do ensino médio, estimulando-os com premiações e cursos de aprofundamento, quando houver disponibilidade;
  2. Selecionar e capacitar os estudantes para compor as delegações que representarão o Brasil nas competições internacionais relacionadas com a Química.

 

Art. 2º- A OBQ destina-se a estudantes do ensino médio de escolas públicas e privadas de todo território nacional.

Os participantes serão divididos em duas modalidades: Modalidade A - alunos da 1ª ou da 2ª série do Ensino Médio e Modalidade B - alunos das demais séries do Ensino Médio.

 

Parágrafo 1° - Só poderão participar da OBQ alunos de Estados em que haja um Coordenador Estadual.

 

Parágrafo 2° - Os estados participantes realizarão, preliminarmente, olimpíadas estaduais com critérios de seleção estabelecidos pelas coordenações locais, respeitadas as condições estabelecidas no caput deste artigo.

 

Art. 3º - A OBQ é composta de duas etapas. Cada etapa é dividida em 3 (três) fases.

A Primeira Etapa é encerrada no mês de novembro do ano em que se realiza a olimpíada com a premiação dos estudantes mais destacados.

Na Segunda Etapa são selecionados os estudantes que representarão o Brasil nas olimpíadas internacionais de Química. Ela é realizada no primeiro semestre do ano seguinte à realização da primeira etapa.

 

Parágrafo 1° - A primeira etapa terá as seguintes fases:

 

- Fase I = Realizada pela escola do aluno.

As escolas realizam com critérios próprios a seleção de seus alunos, que participarão da Olimpíada Estadual (Fase II). A escola poderá ter o auxílio do Coordenador Estadual na elaboração dos critérios.

 

- Fase II = Olimpíada Estadual.

A mesma é promovida, elaborada e realizada pela Coordenação Estadual com o auxílio da Coordenação Nacional das Olimpíadas de Química. A inscrição na olimpíada estadual deve respeitar os critérios estabelecidos pela Coordenação Estadual.

Os links das Coordenações Estaduais podem ser vistos no sítio eletrônico do Programa Nacional Olimpíadas de Química: www.obquimica.org

 

- Fase III = Prova nacional.

Esta fase é constituída de exames teóricos (distintos para cada modalidade) com 10 questões objetivas (pontuação máxima 40 pontos) e 6 questões analítico-expositivas (pontuação máxima 60 pontos), podendo uma ou mais delas versar sobre técnicas laboratoriais habituais para um estudante de Ensino Médio. O tempo máximo de duração do exame desta fase é de 4 (quatro) horas.

 

Inciso I. Só podem participar desta fase os estudantes aprovados na Olimpíada Estadual imediatamente anterior e inscritos pela Coordenação Estadual segundo critérios fixados no Artigo 4º. Os detentores de medalha de ouro e de prata da Olimpíada Brasileira de Química Júnior imediatamente anterior, estarão habilitados, fora da cota estadual, a realizar o exame da modalidade A. Os agraciados com medalha de ouro na modalidade A no ano anterior estarão habilitados, fora da cota estadual, podem optar realizar o exame da modalidade B.

Inciso II. O local da realização desta fase será indicado pela Coordenação Estadual, e a data de realização deste exame será indicada anualmente, quando da divulgação do calendário no sítio eletrônico da OBQ.

 

Inciso III. É permitido o uso de calculadoras, inclusive, científicas. Porém, não é permitido o uso de calculadoras programáveis de qualquer tipo.

 

Inciso IV. Não é permitida consulta a qualquer tipo de material.

 

Inciso V. Contestações referentes ao resultado da Fase III deverão ser enviadas em até 48h, após sua divulgação pela Coordenação Nacional, em formulário próprio, devidamente justificado. O formulário está disponível no sítio eletrônico supracitado. Deverá ser anexado (escaneado) ao formulário, o comprovante de depósito de R$ 50,00 (por questão) em favor da APAE de seu Estado.

 

Parágrafo 2° - No final da primeira etapa (Fases I, II e III), os 4 (quatro) estudantes de mais elevados escores (notas) em cada modalidade serão considerados os vencedores da Olimpíada Brasileira de Química do ano em curso. Estes alunos receberão medalhas de ouro em solenidade convocada pela Coordenação Nacional, para esta finalidade. Os oito (oito) seguintes receberão medalhas de prata e os 12 (doze) seguintes medalhas de bronze no mesmo evento. Este quantitativo de medalhas pode ser aumentado quando houver empate ou diferença de pontuação menor que 1% entre os dois últimos agraciados. Os aprovados com escores acima de 5 (cinco) receberão Menção Honrosa.

 

Parágrafo 3° - A segunda etapa, que também é composta de 3 (três) fases, tem por objetivo selecionar os estudantes que representarão o Brasil na Olimpíada Internacional de Química (IChO) e na Olimpíada Ibero-Americana de Química (OIAQ), observados os limites de idade definidos pelos respectivos regulamentos internacionais (não ter 20 anos na data de início da IChO mais próxima e não haver completado 19 anos em 1o de outubro do ano de realização da OIAQ). Participam dessa etapa, unicamente, os estudantes indicados no Parágrafo 5º deste artigo. Esta etapa tem as seguintes fases:

- Fase IV = Prova prática.

Esta fase ocorre no mês de janeiro, subsequente à premiação da primeira etapa. Nesta fase se avaliam as habilidades em laboratório dos candidatos na forma de mídia eletrônica encaminhada com antecedência para os locais de aplicação do exame, que serão indicados pelas Coordenações Estaduais.

 

- Fase V = Curso de aprofundamento e excelência em Química.

Os 15 (quinze) primeiros classificados após a fase anterior, participarão do Curso de Aprofundamento e Excelência em Química, que será ministrado em uma das universidades participantes do projeto. Essa quantidade pode ser aumentada quando houver empate ou diferença de pontuação menor que 1% entre os dois últimos colocados. É obrigatória a participação neste Curso para que o estudante possa prosseguir para a Fase seguinte.

 

- Fase VI = Seleção da equipe que representará o Brasil nas Olimpíadas Internacionais.

Após a conclusão do Curso de Aprofundamento e Excelência em Química, os estudantes serão submetidos a uma nova avaliação, de caráter analítico-expositiva. Este exame será aplicado, preferencialmente, no mês de abril. Após a correção deste exame a Coordenação Nacional divulgará o resultado final e os nomes dos quatro estudantes da equipe olímpica brasileira, para as olimpíadas internacionais (IChO e OIAQ). A média obtida pelo participante obedece ao seguinte cálculo:

 

  • MF = [M1 + (2 x nota Fase VI)] / 3
  • M1 = [(6 x nota Fase III) + (4 x nota Fase IV)] / 10
  • MF = define os quatro componentes da delegação brasileira para IChO e OIAQ.

 

Inciso I. Contestações referentes aos resultados das Fases IV e/ou VI deverão ser enviadas em até 48h, após sua divulgação pela Coordenação Nacional, em formulário próprio, devidamente justificado. O formulário está disponível no sítio eletrônico supracitado. Deverá ser anexado (escaneado) ao formulário, o comprovante de depósito de R$ 50,00 (por questão) em favor da APAE de seu Estado.

 

Parágrafo 4° - A equipe formada para representar o Brasil na International Chemistry Olympiad (IChO), que acontece no mês de julho, será a mesma que representará o Brasil na Olimpíada Ibero-Americana de Química (OIAQ), que normalmente é realizada entre os meses de setembro e outubro.

 

Inciso I. Caso um dos componentes da equipe não consiga nenhuma premiação na IChO, ele cederá seu lugar, para representar o Brasil na OIAQ, ao estudante imediatamente classificado (quinto colocado) na seletiva nacional da Fase VI.

 

Parágrafo 5º - Estarão, automaticamente, convocados para participar da segunda etapa (Fases IV, V e VI) da OBQ, todos os estudantes da Modalidade A agraciados com medalha na Fase III e, também, o estudante da Modalidade B, que preencher, integralmente, os seguintes requisitos:

 

i) ter a maior pontuação entre os brasileiros agraciados com medalha de ouro na Olimpíada Ibero-Americana de Química (OIAQ) do ano anterior;

ii) ser detentor de medalha da Olimpíada Internacional de Química (IChO) realizada no ano anterior;

iii) atender aos critérios de idade e demais requisitos para participar novamente da IChO e da OIAQ;

iv) ser detentor de medalha de ouro na Fase III da OBQ, Modalidade B, da olimpíada em curso.

 

Inciso I. Este aluno será considerado HORS CONCURS.

 

Inciso II. Para efeito de cálculo da MF, este aluno receberá como bônus a nota 100 na Fase III da Modalidade A.

 

Art. 4° - Cada Coordenadoria Estadual inscreverá, para a Fase III, um máximo de 50 (cinquenta) estudantes, divididos em duas modalidades: Modalidade A = até 25 (vinte e cinco) estudantes da 1ª ou da 2ª série do Ensino Médio, e Modalidade B: até 25 (vinte e cinco) estudantes das demais séries do Ensino Médio.

 

Parágrafo 1º - A inscrição dos estudantes deve ser feita pelo Coordenador Estadual. Este lançará os nomes dos estudantes no sistema de inscrições (Sistema OBQSYS), constante no sítio eletrônico da OBQ.

 

Parágrafo 2° - Todos os estudantes agraciados com medalhas de ouro ou prata na OBQJr do ano anterior serão inscritos na Fase III da Olimpíada Brasileira de Química (OBQ) - Modalidade A. A inscrição desses alunos não interfere na cota de cada Estado. Eles serão adicionados à lista de estudantes selecionados na Olimpíada Estadual, pela Coordenação Nacional.

 

Parágrafo 3° - Todos os estudantes agraciados com medalhas de ouro na Olimpíada Brasileira de Química (OBQ) - Modalidade A, do ano anterior, serão inscritos na Fase III da OBQ - Modalidade B. A inscrição desses alunos não interfere na cota de cada Estado. Eles serão adicionados à lista de estudantes selecionados na Olimpíada Estadual, pela Coordenação Nacional.

 

Art. 5° - Em cada unidade federativa do Brasil haverá uma Coordenação Estadual, que será responsável pela indicação dos estudantes que participarão do evento interestadual e pela aplicação e devolução dos exames à Coordenação Nacional.

 

Art. 6° - O Conselho de Coordenadores, formado pelos Coordenadores Estaduais e pela Coordenação Nacional, é o fórum deliberativo do evento. Seus membros devem estar vinculados a uma Instituição de Ensino Superior ou Médio Tecnológico.

 

Parágrafo 1°. O Conselho deve reunir-se, pelo menos uma vez a cada ano, em assembleia ordinária, para avaliar as atividades realizadas, os resultados alcançados na última olimpíada e programar metas e o calendário do evento a realizar-se no ano seguinte.

 

Parágrafo 2°. Cabe a este Conselho instituir a comissão pedagógica.

 

Parágrafo 3°. A comissão pedagógica será a responsável pela elaboração dos exames.

 

Art. 7° - DA REVISÃO

Não serão aceitos pedidos de revisão dos exames da Fase VI.

 

Art. 8° - Os casos omissos neste regulamento serão resolvidos pela Coordenação Nacional, ouvidos os Coordenadores estaduais e a comissão pedagógica.

 

Art. 9° - A logomarca do evento faz parte de seu patrimônio. Fica expressamente proibida a utilização da mesma, sem a permissão dos organizadores.